quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Colaboração Municípios/Autocaravanistas


INTERVENÇÕES DE PROXIMIDADE


Não serei um falsamente modesto para principiar por qualquer coisa como. “Quem sou eu para…”.

A iniciativa do Companheiro Jorge Santos (que pode ser lida no CampingCar Portugal e no fim deste texto) é perfeitamente legítima, tão legítima como a de qualquer outro autocaravanista, se considerarmos que é feita com o objectivo de defender valores inscritos na “Cartilha do Autocaravanista”.

A questão que se coloca é se a metodologia usada (actuar de fora para dentro e à distancia) será a melhor. Até porque os resultados, não controlados localmente, poderão ser desfavoráveis aos autocaravanistas.

Há alguns dias atrás, numa reunião de Autocaravanistas procurei que fossem criadas condições de proximidade para que a mensagem dos autocaravanistas passasse.

Equacionei, primeiro, as seguintes questões:

- Que o Autocaravanismo e o Campismo eram, perante o cidadão comum, considerados idênticos;

- Que não se estava a conseguir passar a mensagem sobre as diferenças entre Autocaravanismo e Campismo por dificuldades de acesso à Comunicação Social e também às Revistas especializadas e sítios na internet por não serem abrangentes;

- Que existia uma deficiente ou mesmo ausência de informação por parte das autarquias do que é o Autocaravanismo e as vantagens que o mesmo pode proporcionar;

- Que existem muitos utilizadores de autocaravanas que desconhecem ou não se sentem motivados a cumprir a “Cartilha do Autocaravanista”

- Que um associativismo (informal) de proximidade, mais sentido do que racionalizado, podia vir a contribuir para uma intervenção mais assertiva e eficaz;

- Que a constituição de Clubes de âmbito Distrital / Concelhio podia não ser exequível.

E, com base nas razões referidas, sugeri as seguintes acções:

- Uma campanha de fomento da constituição de Núcleos Concelhios / Distritais de Autocaravanistas;

- A divulgação de bases informais (de referência) em que os Núcleos se deviam constituir, designadamente sobre os objectivos lúdicos, culturais, desportivos, formativos, informativos e reivindicativos;

- Que se fossem divulgando (pela internet, por exemplo) as actividades que os Núcleos fossem desenvolvendo (até como forma de incentivo para a constituição de outros);

- Que os Blogues de Autocaravanistas dinamizassem reuniões de autocaravanistas por Concelho / Distrito.

Na minha imodesta opinião o desenvolvimento deste método contribuiria para que a mensagem dos autocaravanistas passasse para os cidadãos em geral, para os utilizadores de autocaravanas, para os responsáveis autárquicos e, assim, poderia criar progressivamente as condições mínimas necessárias para o desenvolvimento do Autocaravanismo como forma de turismo itinerante.

Também a existência de movimentos na proximidade permitiria um maior e eventualmente melhor acompanhamento dos processos.

Em nada pretendo contrariar as ideias, iniciativas, voluntarismo mesmo, de qualquer cidadão, independentemente de os resultados poderem vir a ser contrários ao sentir dos autocaravanistas e do próprio cidadão.


Por outro lado e parafraseando alguém, a autonomia dos autocaravanistas tem que ser obra deles próprios colectivamente considerados.


***********************************


Companheiros,
Contactei recentemente em nome individual, as 16 Câmaras Municipais do Algarve, com o fim de encontrarmos uma plataforma de entendimento, baseada nos principios de respeito mutuo, dos interêsses municipais, populacionais, livre estacionamento, pernoita e facilidades a providenciar à classe autocaravanista itinerante.
A vida nunca permitiu nem virá a permitir "borlas". Para as adquirir, ou já se deu ou teremos de dar futuramente. Como todos sabem, só há duas coisas certas na vida - pagar taxas e morrer.
Conhecedor destas máximas, não me apresentei como o dôno do terreno, nem declarei que só me falta pagar taxa para respirar, nem que queria aquêle "lugarzinho" frente ao mar !.
Não, disse-lhes até que poderiamos pagar quantias simbólicas, com equacionamento a áreas privilegiadas, serviços disponíveis, longas permanências e a nossa disponibilidade para colaborar envolvendo os nossos clubes, fóruns, blogs, bem como as opiniões de residentes locais, utilizadores de autocaravana.
Como já se devem estar a interrogar - Quem mandou êste tipo invocar outros sem autorização ? Tentarei justificar a seguir.
Como não podia ficar em bicos de pés até ter respostas, puxei dos galões e para aumentar a minha estatura alguns milimetros, informei-os, eu sou êste, tenho êste e-mail, telefones, sou sócio do CCL, do CPA, colaborador do campingcarportugal, co-fundador do MIDAP (exagêro!)e tudo quanto se escreva, favorável ou detrimental, a qualquer das partes, será do conhecimento geral.
Sem arrogância ou extrema humildade o que temos de tratar, independente das respostas das Câmaras Municipais, é convocar à participação e se necessário ir até êles com as sugestões mais válidas.
O documento da CCDR-Algarve, foi apresentado para ser implementado e "altamente" melhorado, graças aos esforços :
Da Administração do CCPortugal
Da Presidência/Corpos Directivos do CPA
Da Administração do MIDAP
Dos companheiros Raul Lopes e Nuno Ribeiro.
Entrou, possívelmente dentro da engrenagem estadual ou regional e não sabemos quando e em que estado de lá sairá. Quem sabe se o bom ou mau acolhimento ao meu pedido às 16 Câmaras-Algarve, não reflectirá o documento final ?
Temos grandes homens, como os que se pronunciaram sôbre o documento CCDR-Algarve.
Apélo públicamente a êles, não para corrigirem a malformação da coisa criada (documento CCDR-Algarve), mas sim para estabizarem um barco lançado à àgua (as 16 Câmaras-Algarve) por um aprendiz de construtor naval (eu) em risco de adernar e afundar, mas, que com os vossos conhecimentos e experiência, evitarão o naufrágio.
Faço público apêlo a todos os outros companheiros foreiros, que sugestionem métodos rápidos e eficazes para resolver a problemática de estacionamento/pernoita/serviços, na região algarvia.
Êles, podem estar a ler o que escrevem... !
Ninguém ficará sem o seu nome no quadro de honra.
Principiando, eu sugiro :
Câmaras Municipais, criarão um cartão de área de estacionamento tipo "raspadinha" - pondo a claro, mês e dia e vendidos em qualquer loja, super/hipermercado. Ganha a autarquia e o estabelecimento comercial.
( a ideia não é original, já a usei em um ou dois países europeus )
Câmaras Municipais criarão, digamos, Emprêsa Municipal Para Autocaravanismo Itinerante (EMPAI), a qual será o nosso único interlocutor, velará pelas receitas devidas, rotatividade de ocupação de estacionamentos, serviços,manutenção boas práticas e vigilância de segurança.
Sentir-me-ei honrado se fizer parte da comissão/delegação, para contacto e desenvolvimento com as Câmaras Municipais do Algarve, caso êste ou outro plano, sejam aceites.
Nada se perderá se êste projecto-piloto, não se concretizar.
Dentro das mesmas vertentes, irá ser apresentado em sucessão, aos districtos do Alto e Baixo Alentejo, Beiras, etc.
Cumprimentos
Jorge Santos
Cascais


***********************************

Sem comentários:

Enviar um comentário