domingo, 22 de março de 2009

O petróleo do Século XXI

DIA MUNDIAL DA ÁGUA (22 DE MARÇO)


As Nações Unidas, através da resolução A/RES/47/193, de 22 de Dezembro de 1992, declararam o dia 22 de Março de cada ano como o Dia Mundial da Água. Este dia tem sido marcado, desde 1993, com iniciativas várias nacionais e internacionais com o intuito de sensibilizar o público em geral para a necessidade de conservar os recursos hídricos e para algumas questões em particular, também relacionadas com a água.


DEFENDER A ÁGUA COMO UM BEM PÚBLICO



Temos água todos os dias.

É impensável que falte.

Ninguém sobrevive sem água.

Mas se faltasse?

Se a água não fosse “suficiente”?

Se só algumas pessoas tivessem acesso a ela?

Se, como a terra e o petróleo, a água tivesse donos que estabelecessem os preços pela lei da oferta e da procura?

Preços tão altos quanto a água “é preciosa”?

Se alguns homens tivessem poder para sobrepor a sua ambição e interesses imediatos ao bem comum e ao futuro da Terra?

Este cenário é terrivelmente possível. Para ele se orientam as políticas mundiais da água e com elas a política portuguesa da água

A Associação Água Pública constitui-se para defender um caminho diferente e oposto.

Afirmamos que é possível e necessário um modelo de desenvolvimento que garanta de facto a todas as pessoas o acesso à água potável, que assegure que a escassez e degradação da água deixe de pairar como ameaça ao futuro dos homens e de toda a vida na Terra.

É preciso e urgente defender um futuro habitável.

Enquanto é tempo!

Saiba mais no sitio da ASSOCIAÇÃO ÁGUA PÚBLICA



ÁGUA SERÁ PRIMEIRA CAUSA DE GUERRAS NO SÉCULO 21



As dificuldades de acesso à água provocam conflitos que vão se multiplicar com o aumento da população e o aquecimento climático.

A coordenação suíça "Água como bem público" faz essa advertência, por ocasião do Fórum Mundial da Água, em Istambul, na Turquia.

"A água teve um papel determinante em 37 guerras nos últimos 60 anos. Até 2025, faltará água para dois terços da população mundial. Não há dúvida de que os conflitos do século 21 serão sobre as matérias-primas, a começar pela água que será rara em toda parte."
A constatação é de Bruno Riesen, chefe de campanha da secção suíça da Amnistia Internacional e membro da coordenação "água como bem público", em recente simpósio que reuniu 120 especialistas em Berna, capital suíça.

Desenvolvimento da informação AQUI


EM DEFESA DO DIREITO À ÁGUA


Entendemos que:

1) Defender o reconhecimento da água como um bem comum, património da Humanidade;

2) Defender o reconhecimento do direito à água como um direito humano;

3) Defender o financiamento colectivo e solidário do serviço do abastecimento de água e saneamento;

4) Defender que a propriedade e a gestão dos serviços devem ser públicas e rejeitar a mercantilização da água.

São os princípios vitais para a superação da actual crise.

Texto completo AQUI

Sem comentários:

Enviar um comentário