sábado, 31 de dezembro de 2011

Feliz Ano 2012



Companheiros Autocaravanistas

No ano que vamos entrar muitas são as certezas das dificuldades materiais que muitos de nós (não todos!, como nos querem convencer) irão ter. Para esses vai a minha solidariedade através das muitas acções que, ao meu nível de intervenção e dentro das minhas capacidades, desenvolvo.

Essas dificuldades são já bem patentes pelo conhecimento que tenho de alguns associados se estarem a demitir do CPA alegando razões de natureza económica.

É importante, porém, que se faça um esforço para não se deixar cair o espírito associativo e para que ele prossiga em 2012.

Não faço votos para que 2012 seja um ano, ao nível do autocaravanismo, de unanimismo; mas faço votos para que o essencial prevaleça sobre o secundário;

Faço votos para que o Clube Português de Autocaravanas (CPA) continue a ser uma associação de referência incontornável no Movimento Autocaravanista de Portugal.

Faço votos para que cada associado participe activamente na vida do meu Clube.

Faço votos para que o autocaravanismo, no âmbito da Declaração de Princípios da Plataforma de Unidade, seja mais respeitado pelos nossos concidadãos.

Faço votos para que TODOS os autocaravanistas tenham um 2012 com saúde, sorte e dinheiro para gastos.

Para TODOS vai o meu Abraço e as minhas

Saudações Autocaravanistas

Papa Léguas

sábado, 17 de dezembro de 2011

BOAS FESTAS E FELIZ ANO NOVO



BOAS FESTAS E FELIZ ANO NOVO


quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Morreram para nada!?


Morreram para nada!?

Os autocaravanistas não vivem em bolhas esterilizadas. Vivem em sociedade e são parte integrante da mesma, pelo que o que afecta o vizinho afecta também os que o rodeiam.

As minhas opções de voto não me afectam só a mim. Elas, as minhas opções de voto, intervêm na sociedade e condicionam-na e afectam os meus concidadãos.

Neste momento, pelas sucessivas opções maioritárias dos meus concidadãos, estou a ser lesado nos meus direitos e, o mais grave é que os direitos civilizacionais estão a retroceder, nomeadamente pela aprovação, hoje, em Conselho de Ministros, do aumento da jornada de trabalho diário.

Milhares de pessoas lutaram nas ruas e muitas dezenas morreram e foram, inocentemente, enforcadas para que hoje, no chamado mundo civilizado, o direito à chamada jornada de trabalho de 8 horas fosse uma realidade.

Ignorar estas lutas e estes sacrifícios para que as gerações futuras não fossem meras escravas, onde se continuaria a trabalhar 16 e mais horas é “escarrar” nessas mulheres e nesses homens que até deram a vida por uma vida melhor para as gerações futuras.

Os que não lutarem por todos os meios de que disponham para manter a jornada de trabalho diária em 8 horas estão a condenar os seus descendentes a ter uma vida pior.

Retirei da “wikipédia – A enciclopédia livre” os textos que transcrevo porque é necessário passar a palavra para que ninguém venha dizer que não sabia.

Em 1886, realizou-se uma manifestação de trabalhadores nas ruas de Chicago nos Estados Unidos da América.

Essa manifestação tinha como finalidade reivindicar a redução da jornada de trabalho para 8 horas diárias e teve a participação de milhares de pessoas. Nesse dia teve início uma greve geral nos EUA. No dia 3 de Maio houve um pequeno levantamento que acabou com uma escaramuça com a polícia e com a morte de alguns manifestantes. No dia seguinte, 4 de Maio, uma nova manifestação foi organizada como protesto pelos acontecimentos dos dias anteriores, tendo terminado com o lançamento de uma bomba por desconhecidos para o meio dos policiais que começavam a dispersar os manifestantes, matando sete agentes. A polícia abriu então fogo sobre a multidão, matando doze pessoas e ferindo dezenas. Estes acontecimentos passaram a ser conhecidos como a Revolta de Haymarket.

A Revolta de Haymarket aconteceu no dia 4 de Maio em 1886 na cidade de Chicago, Illinois, e é considerada uma das origens das comemorações internacionais do "1º de Maio", o dia do trabalhador. Durante uma manifestação pacífica a favor do regime de 8 horas de trabalho, uma bomba estourou junto ao local onde policiais estavam posicionados, matando um imediatamente e ferindo outros 7 que morreram mais tarde. A polícia imediatamente abriu fogo contra os manifestantes, ferindo dezenas e matando onze. Os oito organizadores da manifestação, militantes anarquistas, foram presos e incriminados pelo acontecimento, mesmo na ausência de evidências que os conectassem com o lançamento da bomba. Uma grande campanha foi organizada para salvar os mártires de Chicago. Finalmente, quatro deles foram executados, um cometeu suicídio antes do enforcamento, e os três remanescentes receberam sentenças de prisão que foram revogadas em 1893, quando o governador concluiu que todos os oito acusados eram inocentes.

Três anos mais tarde, a 20 de Junho de 1889, a segunda Internacional Socialista reunida em Paris decidiu por proposta de Raymond Lavigne convocar anualmente uma manifestação com o objectivo de lutar pelas 8 horas de trabalho diário. A data escolhida foi o 1º de Maio, como homenagem às lutas sindicais de Chicago. Em 1 de Maio de 1891 uma manifestação no norte de França é dispersada pela polícia resultando na morte de dez manifestantes. Esse novo drama serve para reforçar o dia como um dia de luta dos trabalhadores e meses depois a Internacional Socialista de Bruxelas proclama esse dia como dia internacional de reivindicação de condições laborais.

Em 23 de Abril de 1919 o senado francês ratifica o dia de 8 horas e proclama o dia 1 de Maio desse ano dia feriado. Em 1920 a Rússia adopta o 1º de Maio como feriado nacional, e este exemplo é seguido por muitos outros países.

Apesar de até hoje os Estados Unidos da América se negarem a reconhecer essa data como sendo o Dia do Trabalhador, em 1890 a luta dos trabalhadores conseguiu que o Congresso aprovasse que a jornada de trabalho fosse reduzida de 16 para 8 horas diárias.

Não conseguimos aprender com a história?

E em Portugal? Alguém se recorda quando foi na realidade implementado o horário de 8 horas diárias? Alguém se recorda do que diziam os seus pais e avós que só chegavam a casa quando o patrão queria?

Muitos (ignorantes?) virão argumentar que os tempos são outros, que são medidas temporárias e sei lá que mais. Os mesmos que foram fazendo opções de voto sucessivas que elegeram governos que nos conduziram a este estado de coisas. Infelizmente, porém, as opções que tomaram não os “lixaram” só a eles.

Basta! Chega! Estou farto de pagar pelos erros de uns e a ganância de outros.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

PELO DIREITO AO AUTOCARAVANISMO



 
PELO DIREITO AO AUTOCARAVAVANISMO

ELEIÇÕES NO CLUBE PORTUGUÊS DE AUTOCARAVANAS


"Inicia-se hoje (2 de Dezembro) e até ao dia 28 de Janeiro de 2012 todo o processo respeitante à eleição dos Corpos Gerentes do Clube Português de Autocaravanas para o biénio 2012 / 2013.

As eleições no Clube Português de Autocaravanas são um acontecimento relevante não só para os sócios da própria associação como para todos os autocaravanistas, dada a referência incontornável que o CPA é para o Movimento Autocaravanista de Portugal.

A “crise” que assola Portugal, a Europa, o Mundo, não deixará de atingir o CPA e o desenvolvimento do Autocaravanismo. Estarem todos os autocaravanistas conscientes desta realidade é tão importante como estarem os sócios conscientes da escolha que fizerem no próximo acto eleitoral.

Todo o processo, que é público, pode ser acompanhado “on line” AQUI"

(Transcrito do Fórum do CPA)